31 de maio de 2017

Te perdi, meu coração...

Escondi meu coração tão bem que eu mesma não o conseguia encontrar.
Mas você apareceu, um sorriso amigo, e se ofereceu para me ajudar.
Galanteador, exatamente como eu me lembrava, você sorriu pra mim.
E meu tolo e recém-encontrado coração caminhava para seu fim.

Suas covinhas tão sedutoras quanto suas mentiras me conquistaram
E eu acreditei que você realmente era o príncipe de que me falaram.
Na verdade, você não passava do mais cruel e vil dos caçadores.
Disposto a roubar sonhos, desejos, sorrisos e, principalmente, amores.

Agora eu me escondo do mundo e fujo de toda a dor que possa existir.
Por que você tinha de ser a única pessoa capaz de me fazer sorrir?
Minhas olheiras fundas devem mostrar o quanto eu tenho chorado.
Mas nada disso revela a dor de te querer e não te ter ao meu lado.

Mariana Siqueira

15 de maio de 2017

Meu colete salva-vidas..

Eu me agarro desesperadamente a você como se fosses o último colete salva-vidas. Estou afundando, me afogando em solidão. Estou cansada de nadar e você é a minha salvação. Enquanto eu me debato e evito as ondas, você parece me acalmar e me fazer boiar. Eu quase nem percebo o pequeno furo no lado esquerdo do colete. Finjo que não vejo que é perigoso estar com você e que uma hora você vai me abandonar. Eu estou em alto-mar e há tão pouco ar dentro de você que eu já sinto meu pescoço submerso, ainda assim, te mantenho junto ao corpo para afastar o frio. É tão frio sem você. Eu ainda me agarro aos fios que te prendem a mim, uma tentativa desesperada de permanecer viva. E enquanto eu afundo, te levo comigo. Vazio, incapaz de me ajudar, danificado e tão desesperado quanto eu. Não foi o colete que me matou, foi a água. E eu pulei mesmo sem saber nadar.

Mariana Siqueira

18 de abril de 2017

Meu príncipe

Certo dia, numa liquidação imperdível,
Encontrei uma promoção irresistível.
Embrulhado em um belo papel de presente,
Um príncipe numa armadura reluzente.

Bem escondido sob várias camadas de proteção,
Veio de brinde um pequeno e vermelho coração.
Ele pulsava quando você dizia uma fala gravada.
E eu amava, mesmo sabendo que não significava nada.

Eu escolhi o melhor modelo mas não sabia, 
Afinal, você tinha um prazo de garantia.
Devia ser uma forma de enganar o cliente, 
Você parecia uma coisa mas era outra diferente.

Assim, apareceram defeitos de fabricação 
E consertá-los se tornou minha obsessão.
Você, então, resolveu começar a falhar
E mesmo trocando a bateria, parou de funcionar.

Sua pintura lentamente começou a descascar. 
Meus amigos diziam que já era hora de te trocar.
Mas como se descarta seu brinquedo favorito? 
Você sempre foi meu boneco mais bonito.

Na fila para a devolução tinha tanta gente triste.
Acho que fazer troca é a pior coisa que existe.
Eu juro que fiz o possível pra tentar te consertar
Mas você preferiu outra dona para brincar.

O coração, que veio brinde, resolvi não devolver.
Sem pilha, a luzinha vermelha deixou de acender.
Vendo-o na estante, observo o meu próprio coração
Que não funciona longe do seu príncipe de estimação.


Mariana Siqueira

21 de janeiro de 2017

Dói...

Dói. Ainda dói. Algumas vezes, dói tanto que eu não consigo respirar. Pensar em tudo o que vivemos juntos, em tudo o que queríamos fazer juntos, acaba comigo. Eu sinto como se eu tivesse tido toda a felicidade que eu poderia ter na vida e, simplesmente, a deixei ir. Deixei você ir. E dói. Dói não saber o que fazer, não saber quem eu sou sem você. É um vazio infinito, sou tudo e nada ao mesmo tempo. Vácuo no universo, vácuo no meu coração. Eu queria ter sabido, pelo menos suspeitado, ter me agarrado aos momentos que tivemos sabendo que eles eram os últimos. Queria que as coisas não tivessem mudado tanto entre nós e que pudéssemos ser aquelas pessoas que um dia fomos. Não somos mais. Não somos mais nada. Nada além de dor. Já falei o quanto ainda dói? 

[Mariana Siqueira]

10 de janeiro de 2017

Não ser...

Eu que já fui tão feliz, hoje não sou mais metade do que era.
Perdi algo dentro de mim e não encontro por nada nessa Terra. 
No espelho, a figura envelheceu, parece que perdeu para a vida. 
É como se o reflexo fosse eu e a original uma lembrança refletida. 

Não me reconheço mais, nem sei onde me encontrar. 
Tenho saudade de mim e de como eu costumava sonhar.
Hoje, tampouco as rimas parecem me reconhecer, 
Os poemas revelam que perdi meu próprio ser. 

Pouca coisa faz sentido nesse momento, tudo parece fora do lugar. 
Se eu pudesse diria que lamento não ser mais a menina que sabe amar.

[Mariana Siqueira]

Um Estranho de Passagem...

Você me deu um dia perfeito.
Pelo menos, nas minhas ilusões.
Mas não adianta, você não tem jeito.
Tinha que ir partir outros corações.

Ao seu lado, juro, cheguei a pensar.
Que achara a felicidade de outrora.
Acordei e foi correndo te contar.
Mas pela manhã você já tinha ido embora.

No seu lugar havia um bilhete educado.
Se desculpando e agradecendo simplesmente.
Eu me senti tão ingênua por ter acreditado
Que de todos os outros você fosse diferente.

Acabou que você era igual, sem tirar nem pôr.
Pegou na minha mão e fez meu coração disparar.
Me tirou o ar e fez sumir a minha dor.
Só para depois sumir e fazê-la voltar.

[Mariana Siqueira]